• 967 224 138
  • Contactos

André Carrilho – O rosto do alpinista

João Paulo Cotrim
Assírio e Alvim
Português PT

Estado : Usado 5/5
Encadernação : Capa dura
Disponib. - Em stock

€20
Mais detalhes
  • Código
  • LT006611

Descrição

Por estranho que pareça, enquanto houver caricatura brilhará no mundo uma faísca de humanidade. Por causa do riso, desde logo, mas por nos aproximar, sem alarde, da alma por detrás daquela cara e daquele nome, autor de obra, gesto, palavra, ou apenas habitante de alguns dos mundos de que é feito o presente. Depois, abre silêncio sobre as coisas do mundo fazendo-o reverberar. André Carrilho poderia ter sido alpinista, alguém que escala o impossível sem outro objectivo que o encontro de caminhos ou vencer de obstáculos. Acabou sendo desenhador, caricaturista, cartoonista, contador de histórias, provocador de danças, criador de ambientes. Serve-se Carrilho do desporto das alturas para explicar a sua vocação de curto-circuito de grafismos, de modesto retratista. O humano no cume dos Himalaias é uma bandeira e uma história. Nas páginas dos jornais, ou no ecrã, o humano salta-nos à cara através do desenho de imprensa, boneco de mola preso numa caixa de surpresas.


João Paulo Cotrim
Assírio e Alvim
Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Capa dura
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Código
  • LT006611
Descrição

Por estranho que pareça, enquanto houver caricatura brilhará no mundo uma faísca de humanidade. Por causa do riso, desde logo, mas por nos aproximar, sem alarde, da alma por detrás daquela cara e daquele nome, autor de obra, gesto, palavra, ou apenas habitante de alguns dos mundos de que é feito o presente. Depois, abre silêncio sobre as coisas do mundo fazendo-o reverberar. André Carrilho poderia ter sido alpinista, alguém que escala o impossível sem outro objectivo que o encontro de caminhos ou vencer de obstáculos. Acabou sendo desenhador, caricaturista, cartoonista, contador de histórias, provocador de danças, criador de ambientes. Serve-se Carrilho do desporto das alturas para explicar a sua vocação de curto-circuito de grafismos, de modesto retratista. O humano no cume dos Himalaias é uma bandeira e uma história. Nas páginas dos jornais, ou no ecrã, o humano salta-nos à cara através do desenho de imprensa, boneco de mola preso numa caixa de surpresas.