• 967 224 138
  • Contactos

No país dos cegos – O livro negro de Fred

Fred
Edição de Autor
Português PT

Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€15
Mais detalhes
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003896
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 18,00 x 12,00 x

Descrição

Prefácio de Mário-Henrique Leiria

“O cego é a instituição. Livre, cristão e ocidental, claro. Funciona correctamente na OTAN como pesquisador de submarinos suspeitos e também tem a bengala branca organizada pela benesse da bondade que não deseja vê-lo cair enquanto serve. O cego tem a bengala bonita. Por agora. Benza-o deus, que a bondade é infinita. E há o cão. O cão leva o cego. Está na televisão. Aí todos vemos a bondade da bengala e do cão. O cego bate com a bengalinha no passeio. Tropeça levemente, olha para pró negro que é o sol, apalpa com o pezinho o passeio que lá está apesar de tudo, sacode-se e lá vai, arrastado pelo bom cão próprio para isso. É um belo cão, não tenhamos dúvidas. Cão grande de orelha atenta, magnífico, policial e alemão. Já o viram, ao lado dos vários outros cães policiais (nazis ou não) a correr e a comer, a matar distraidamente ceguinhos em campos de concentração? Pois é. É o magnífico cão cego… O cego e o cão. Porque não?…” do prefácio


Fred
Edição de Autor
Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003896
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 18,00 x 12,00 x
Descrição

Prefácio de Mário-Henrique Leiria

“O cego é a instituição. Livre, cristão e ocidental, claro. Funciona correctamente na OTAN como pesquisador de submarinos suspeitos e também tem a bengala branca organizada pela benesse da bondade que não deseja vê-lo cair enquanto serve. O cego tem a bengala bonita. Por agora. Benza-o deus, que a bondade é infinita. E há o cão. O cão leva o cego. Está na televisão. Aí todos vemos a bondade da bengala e do cão. O cego bate com a bengalinha no passeio. Tropeça levemente, olha para pró negro que é o sol, apalpa com o pezinho o passeio que lá está apesar de tudo, sacode-se e lá vai, arrastado pelo bom cão próprio para isso. É um belo cão, não tenhamos dúvidas. Cão grande de orelha atenta, magnífico, policial e alemão. Já o viram, ao lado dos vários outros cães policiais (nazis ou não) a correr e a comer, a matar distraidamente ceguinhos em campos de concentração? Pois é. É o magnífico cão cego… O cego e o cão. Porque não?…” do prefácio