• 967 224 138
  • Contactos

Poeira da alma – A magia da consciência

LT011502
2012
Nicholas Humphrey

Editora Gradiva
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€12
Mais detalhes
  • Ano
  • 2012
  • Colecção
  • Ciência Aberta
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT011502
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 13,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 291

Descrição

Como é possível a consciência? A que finalidade biológica se destina? Porque é que a valorizamos tanto? Em Poeira da Alma, Nicholas Humphrey, figura cimeira da investigação mundial no campo da consciência, avança uma nova teoria surpreendente. A consciência, afirma, não é senão um espectáculo de magia e mistério que representamos para nós próprios dentro das nossas cabeças. Este espectáculo autocriado ilumina-nos o mundo e faz-nos sentir especiais e transcendentes. Assim, a consciência abre caminho à espiritualidade e permite-nos, enquanto seres humanos, colher os frutos, e ansiedades, de viver no que Humphrey chama «o nicho da alma».

Poeira da alma – A magia da consciência

€12

LT011502
2012
Nicholas Humphrey
Editora Gradiva
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 2012
  • Colecção
  • Ciência Aberta
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT011502
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 13,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 291
Descrição

Como é possível a consciência? A que finalidade biológica se destina? Porque é que a valorizamos tanto? Em Poeira da Alma, Nicholas Humphrey, figura cimeira da investigação mundial no campo da consciência, avança uma nova teoria surpreendente. A consciência, afirma, não é senão um espectáculo de magia e mistério que representamos para nós próprios dentro das nossas cabeças. Este espectáculo autocriado ilumina-nos o mundo e faz-nos sentir especiais e transcendentes. Assim, a consciência abre caminho à espiritualidade e permite-nos, enquanto seres humanos, colher os frutos, e ansiedades, de viver no que Humphrey chama «o nicho da alma».