• 967 224 138
  • Contactos

Etnografia transmontana – 2 volumes

LT009656

António Lourenço Fontes

Editora Edição de Autor
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€25
Mais detalhes
  • Código
  • LT009656
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 163 + 199

Descrição

Volume 1 - Crenças e tradições de Barroso: 1979, 2ª edição corrigida e aumentada;

Volume 2 - O Comunitarismo de Barroso: 1977, 1ª edição


António Lourenço Fontes opta pelo registo directo e breve, sem outro enquadramento pontual que não seja o decorrente da localização e o de encostar uns aos outros os factos mais semelhantes entre si, segundo uma concepção da etnografia tradicional. Certo. O leitor e o antropólogo ficam naturalmente satisfeitos com a oferta de textos puros, lavados: que sejam um e outro a operar induções e deduções. Como se dissesse: o povo de Barroso é mais ou menos assim, nos domínios que investiguei façam agora o favor de comparar e tirar conclusões. Nem sequer, como acontece com «o direito sobre as moças da terra» e as «chegas», ele nos diz claramente até que ponto o costume persiste na forma apresentada ou como possivelmente evoluiu e por que motivos. Como se também nos quisesse dizer: em Barroso foi ou é assim venham cá e vejam como as coisas, apesar de inevitáveis transculturações, ainda conservam peculiaridades que as identificam e nos identificam.

Etnografia transmontana – 2 volumes

€25

LT009656

António Lourenço Fontes
Editora Edição de Autor
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Código
  • LT009656
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 163 + 199
Descrição

Volume 1 - Crenças e tradições de Barroso: 1979, 2ª edição corrigida e aumentada;

Volume 2 - O Comunitarismo de Barroso: 1977, 1ª edição


António Lourenço Fontes opta pelo registo directo e breve, sem outro enquadramento pontual que não seja o decorrente da localização e o de encostar uns aos outros os factos mais semelhantes entre si, segundo uma concepção da etnografia tradicional. Certo. O leitor e o antropólogo ficam naturalmente satisfeitos com a oferta de textos puros, lavados: que sejam um e outro a operar induções e deduções. Como se dissesse: o povo de Barroso é mais ou menos assim, nos domínios que investiguei façam agora o favor de comparar e tirar conclusões. Nem sequer, como acontece com «o direito sobre as moças da terra» e as «chegas», ele nos diz claramente até que ponto o costume persiste na forma apresentada ou como possivelmente evoluiu e por que motivos. Como se também nos quisesse dizer: em Barroso foi ou é assim venham cá e vejam como as coisas, apesar de inevitáveis transculturações, ainda conservam peculiaridades que as identificam e nos identificam.