• 967 224 138
  • Contactos

Psicologia de massas do fascismo

Wilhelm Reich
Dom Quixote
Português PT

Estado Usado 5*
Encadernação Brochado
Disponib. - Em stock

€25
Mais detalhes
  • Ano
  • 1978
  • Colecção
  • Viragem
  • Idioma Original
  • Alemão
  • Tradutor
  • Maria da Graça Monteiro Macedo
  • Capa
  • Fernando Felgueiras
  • Edição
  • 2
  • Código
  • LT003835
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 13,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 373

Descrição

O psicólogo marxista Wilhelm Reich (1897-1957) escreveu o livro Psicologia de massas do fascismo em 1933 (o estudo estendeu-se de 1930 até 1933), no contexto da ascensão do nazismo na Alemanha. O autor refugiou-se em Viena, depois Copenhagen e Oslo, onde iniciou os seus estudos sobre as couraças e depois do que denominou de “energia vital”, levando-o a teoria do “orgon”. Desde 1926 acumulava divergências com Freud, com o qual trabalhou como assistente clínico, e em 1934 seria expulso da Sociedade Freudiana e da Associação Psicanalítica Internacional, sairia da Noruega em direção aos EUA, onde seria também perseguido com a acusação de “subversão”. Acabou preso em 1957 e morreu no mesmo ano na prisão. Toda sua obra, incluindo livros e material de pesquisa, foram queimados por ordem judicial nos EUA em 1960.

Psicologia de massas do fascismo

€25

Wilhelm Reich
Dom Quixote
Português PT
Estado Usado 5*
Encadernação Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1978
  • Colecção
  • Viragem
  • Idioma Original
  • Alemão
  • Tradutor
  • Maria da Graça Monteiro Macedo
  • Capa
  • Fernando Felgueiras
  • Edição
  • 2
  • Código
  • LT003835
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 13,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 373
Descrição

O psicólogo marxista Wilhelm Reich (1897-1957) escreveu o livro Psicologia de massas do fascismo em 1933 (o estudo estendeu-se de 1930 até 1933), no contexto da ascensão do nazismo na Alemanha. O autor refugiou-se em Viena, depois Copenhagen e Oslo, onde iniciou os seus estudos sobre as couraças e depois do que denominou de “energia vital”, levando-o a teoria do “orgon”. Desde 1926 acumulava divergências com Freud, com o qual trabalhou como assistente clínico, e em 1934 seria expulso da Sociedade Freudiana e da Associação Psicanalítica Internacional, sairia da Noruega em direção aos EUA, onde seria também perseguido com a acusação de “subversão”. Acabou preso em 1957 e morreu no mesmo ano na prisão. Toda sua obra, incluindo livros e material de pesquisa, foram queimados por ordem judicial nos EUA em 1960.