• 967 224 138
  • Contactos

Quem tem medo dos feminismos? - 2 volumes

AA.VV.
Nova Delphi
Português PT

Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€21
Mais detalhes
  • Ano
  • 2010
  • Código
  • LT001859
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 422 + 404

Descrição

Actas do Congresso Feminista 2008. Publicação em 2 volumes que reúne algumas das comunicações que foram apresentadas no Congresso Feminista 2008, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian e Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, entre 26 e 29 de Junho. Esta obra insere-se num percurso de recuperação da memória histórica dos feminismos(…). No contexto de um novo século, o congresso feminista de 2008 serviu também para quebrar as espirais de silêncios que têm envolvido as lutas feministas e conduzido à perpetuação das invisibilidades seculares das mulheres e do pensamento crítico feminista. (…) Juntou-se a reflexão académica ao activismo feminista e à acção cultural na ideia de que estas três vertentes se conjugam no reforço de um movimento que se pretende plural, com agenda própria e em articulação com as agendas de outros movimentos sociais.

Quem tem medo dos feminismos? - 2 volumes

€21

AA.VV.
Nova Delphi
Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 2010
  • Código
  • LT001859
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 422 + 404
Descrição

Actas do Congresso Feminista 2008. Publicação em 2 volumes que reúne algumas das comunicações que foram apresentadas no Congresso Feminista 2008, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian e Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, entre 26 e 29 de Junho. Esta obra insere-se num percurso de recuperação da memória histórica dos feminismos(…). No contexto de um novo século, o congresso feminista de 2008 serviu também para quebrar as espirais de silêncios que têm envolvido as lutas feministas e conduzido à perpetuação das invisibilidades seculares das mulheres e do pensamento crítico feminista. (…) Juntou-se a reflexão académica ao activismo feminista e à acção cultural na ideia de que estas três vertentes se conjugam no reforço de um movimento que se pretende plural, com agenda própria e em articulação com as agendas de outros movimentos sociais.