• 967 224 138
  • Contactos

O viageiro solitário (1ª ed.) - com dedicatória

LT009118
1951
Daniel Filipe

Editora Távola Redonda
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€40
Mais detalhes
  • Ano
  • 1951
  • Capa
  • António Vaz Pereira
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT009118
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 77

Descrição

Com dedicatória do autor ao poeta conterrâneo Aguinaldo Fonseca

«Daniel Damásio Ascensão Filipe nasceu em 1925 na ilha da Boavista em Cabo Verde. Ainda criança, veio para Portugal onde fez os estudos liceais. Foi jornalista e poeta. Co-director dos cadernos “Notícias do Bloqueio”, colaborou também assiduamente nas revistas “Seara Nova” e “Távola Redonda” e realizou, na Emissora Nacional, o programa literário “Voz do Império”. Combateu a ditadura salazarista, sendo perseguido e torturado pela PIDE. Num curto espaço de tempo, a sua poesia evoluiu desde a temática africana aos valores neo-realistas e a um intimismo original que versa o indivíduo e a cidade, o amor e a solidão. O amor e a solidão, o indivíduo e a cidade recortam-se nos seus versos com acentos originais, fluentes e por vezes inesquecíveis. Daniel Filipe iniciou a sua actividade literária em 1946 com Missiva, seguindo-se Marinheiro em Terra (1949), O Viageiro Solitário (1951), Recado para a Amiga Distante (1956), A Ilha e a Solidão (1957) – Prémio Camilo Pessanha; o romance O Manuscrito na Garrafa (1960), A Invenção do Amor (1961) e Pátria, Lugar de Exílio (1963). Faleceu em 1964 em Cabo Verde.» in tertuliabibliofila.blogspot.com


LT009118
1951
Daniel Filipe
Editora Távola Redonda
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1951
  • Capa
  • António Vaz Pereira
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT009118
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 77
Descrição

Com dedicatória do autor ao poeta conterrâneo Aguinaldo Fonseca

«Daniel Damásio Ascensão Filipe nasceu em 1925 na ilha da Boavista em Cabo Verde. Ainda criança, veio para Portugal onde fez os estudos liceais. Foi jornalista e poeta. Co-director dos cadernos “Notícias do Bloqueio”, colaborou também assiduamente nas revistas “Seara Nova” e “Távola Redonda” e realizou, na Emissora Nacional, o programa literário “Voz do Império”. Combateu a ditadura salazarista, sendo perseguido e torturado pela PIDE. Num curto espaço de tempo, a sua poesia evoluiu desde a temática africana aos valores neo-realistas e a um intimismo original que versa o indivíduo e a cidade, o amor e a solidão. O amor e a solidão, o indivíduo e a cidade recortam-se nos seus versos com acentos originais, fluentes e por vezes inesquecíveis. Daniel Filipe iniciou a sua actividade literária em 1946 com Missiva, seguindo-se Marinheiro em Terra (1949), O Viageiro Solitário (1951), Recado para a Amiga Distante (1956), A Ilha e a Solidão (1957) – Prémio Camilo Pessanha; o romance O Manuscrito na Garrafa (1960), A Invenção do Amor (1961) e Pátria, Lugar de Exílio (1963). Faleceu em 1964 em Cabo Verde.» in tertuliabibliofila.blogspot.com