• 967 224 138
  • Contactos
A Cartuxa de Parma

A Cartuxa de Parma

Stendhal
Disponib. - Por encomenda

€12
Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Colecção
  • Clássicos
  • Idioma Original
  • Italiano
  • Tradutor
  • Adolfo Casais Monteiro
  • Capa
  • Fernando Mateus
  • Código
  • LT002357
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 529

Descrição

Introdução de Italo Calvino. A Cartuxa de Parma (em francês: La Chartreuse de Parme) é uma das duas obra-primas reconhecidas de Stendhal, a par de O Vermelho e o Negro. O romance é citado frequentemente como um exemplo antecipado do realismo, um forte contraste com o estilo popular romântico que havia à época de Stendhal. É considerado por muitos autores como um trabalho seminal; Honoré de Balzac o considerou o mais significante romance de seu tempo, André Gide o denominou de o maior romance francês. Tolstói sofreu grande influência da famosa abordagem de Stendhal com relação à Batalha de Waterloo, onde seu protagonista vagueia perturbado sem saber ao certo se esteve ou não presente realmente naquela batalha. O romance é considerado por muitos críticos literários como um romance análogo a O Príncipe de Maquiavel, mas retratando a Itália do século XIX. A criação de A Cartuxa de Parma foi, em muito, inspirada em leituras de documentos sobre famílias antigas da Itália, como a família Farnese, a que Stendhal teve acesso nas suas inúmeras passagens por Itália, como cônsul. O Romance tem como protagonista Fabricio Del Dongo, um jovem aventureiro, de família nobre e de poucas ambições. Assim como Julien Sorel, protagonista de O Vermelho e o Negro, Fabricio é admirador de Napoleão e essa admiração constitui um dos aspectos sócio-históricos apresentados na obra, pois mostra uma Itália que sofre as consequências sociais da restauração da monarquia em territórios que haviam pertencido ao Império Napoleónico, como os territórios do Ducado de Parma e Piacenza, onde se passa o romance.

A Cartuxa de Parma

A Cartuxa de Parma €12

Stendhal
Disponib. - Por encomenda

Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Colecção
  • Clássicos
  • Idioma Original
  • Italiano
  • Tradutor
  • Adolfo Casais Monteiro
  • Capa
  • Fernando Mateus
  • Código
  • LT002357
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 529
Descrição

Introdução de Italo Calvino. A Cartuxa de Parma (em francês: La Chartreuse de Parme) é uma das duas obra-primas reconhecidas de Stendhal, a par de O Vermelho e o Negro. O romance é citado frequentemente como um exemplo antecipado do realismo, um forte contraste com o estilo popular romântico que havia à época de Stendhal. É considerado por muitos autores como um trabalho seminal; Honoré de Balzac o considerou o mais significante romance de seu tempo, André Gide o denominou de o maior romance francês. Tolstói sofreu grande influência da famosa abordagem de Stendhal com relação à Batalha de Waterloo, onde seu protagonista vagueia perturbado sem saber ao certo se esteve ou não presente realmente naquela batalha. O romance é considerado por muitos críticos literários como um romance análogo a O Príncipe de Maquiavel, mas retratando a Itália do século XIX. A criação de A Cartuxa de Parma foi, em muito, inspirada em leituras de documentos sobre famílias antigas da Itália, como a família Farnese, a que Stendhal teve acesso nas suas inúmeras passagens por Itália, como cônsul. O Romance tem como protagonista Fabricio Del Dongo, um jovem aventureiro, de família nobre e de poucas ambições. Assim como Julien Sorel, protagonista de O Vermelho e o Negro, Fabricio é admirador de Napoleão e essa admiração constitui um dos aspectos sócio-históricos apresentados na obra, pois mostra uma Itália que sofre as consequências sociais da restauração da monarquia em territórios que haviam pertencido ao Império Napoleónico, como os territórios do Ducado de Parma e Piacenza, onde se passa o romance.