• 967 224 138
  • Contactos
bestiario

Bestiário

LT003501
1986
Julio Cortázar

Disponib. - Em stock

€7
Mais detalhes
  • Ano
  • 1986
  • Colecção
  • Biblioteca de Bolso
  • Idioma Original
  • Castelhano
  • Tradutor
  • Joaquim Pais de Brito
  • Capa
  • Victor Costa
  • Código
  • LT003501
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 147

Descrição

Oito contos do escritor argentino Julio Cortázar (1914 – 1984). Animais invisíveis, como o tigre do conto que dá título ao volume, que se desloca a seu bel-prazer pelos quartos de uma casa, obrigando a família que ali vive a mil cuidados e precauções a fim de evitar encontros indesejados; animais imaginários, como as mancúspias que anunciam as fases da Cefaleia; animais que despontam do nada, como os coelhinhos da Carta a uma rapariga em Paris; ou outros ainda subjugados ao poder de feitiçarias arcaicas que ganham novas formas e sentidos em Circe, todos eles compõem este bestiário fantástico de Julio Cortázar, no qual a descrição realista de atmosferas familiares faz luz sobre a vida secreta de uma sociedade povoada por tensões misteriosas e irracionais.

Bestiário

bestiario €7

LT003501
1986
Julio Cortázar
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1986
  • Colecção
  • Biblioteca de Bolso
  • Idioma Original
  • Castelhano
  • Tradutor
  • Joaquim Pais de Brito
  • Capa
  • Victor Costa
  • Código
  • LT003501
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 147
Descrição

Oito contos do escritor argentino Julio Cortázar (1914 – 1984). Animais invisíveis, como o tigre do conto que dá título ao volume, que se desloca a seu bel-prazer pelos quartos de uma casa, obrigando a família que ali vive a mil cuidados e precauções a fim de evitar encontros indesejados; animais imaginários, como as mancúspias que anunciam as fases da Cefaleia; animais que despontam do nada, como os coelhinhos da Carta a uma rapariga em Paris; ou outros ainda subjugados ao poder de feitiçarias arcaicas que ganham novas formas e sentidos em Circe, todos eles compõem este bestiário fantástico de Julio Cortázar, no qual a descrição realista de atmosferas familiares faz luz sobre a vida secreta de uma sociedade povoada por tensões misteriosas e irracionais.