• 967 224 138
  • Contactos

Desvios – René Crevel

LT007821
2021
René Crevel

Editora Snob
Idioma Português PT
Estado : Novo
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€11
Mais detalhes
  • Ano
  • 2021
  • Colecção
  • Baldio
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Diogo Paiva
  • Capa
  • Pedro Soares
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT007821
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 151

Descrição

René Crevel viveu apenas 34 anos, deixando-nos poemas, romances, textos soltos, loucos. O suicídio acompanhou-o desde sempre, como se algum dia fosse inevitável realizá-lo, e anuncia-se logo neste seu primeiro romance, Desvios, cabendo nele a descrição de um gesto que terá, 11 anos depois, a forma que o próprio Crevel escolherá, juntando um bilhete ao corpo: «É favor de me incinerar. Repulsa.» Desvios é, no entanto, e ao mesmo tempo, um romance de uma alegria tresloucada (até nas passagens mais melancólicas) e que parece estritamente ligada ao acto de se contar uma história. Seduzido pelo Surrealismo e por Breton, há quem queira ver numa posterior desilusão com este o motivo para a sua derradeira escolha, outros vêem-no na consciência da sua tuberculose avançada, mas o facto é que esse desvio da linha da vida marcou-o precisamente nela: aos 14 anos, vê o pai enforcado, levado pelas mãos da própria mãe, que lhe quis mostrar a cobardia do acto. É provável que Crevel tenha visto outra coisa. Bissexual assumido, o sexo, nos seus jogos e frustrações, é uma das cores na paleta de Desvios, que, embora usando os mesmos pincéis da literatura que o fundamenta, assume a rebeldia no traço, na forma, na força com que representa, rasgando se for preciso a tela. É jovial, desestabilizador, terno e angustiante. «É um livro romântico», dirá numa carta a Paul Éluard, «como o seu autor». 

           

Tradução do francês de Diogo Paiva

Revisão de Sara Veiga

Capa de Pedro Soares

Design de Pedro Simões


Desvios – René Crevel

€11

LT007821
2021
René Crevel
Editora Snob
Idioma Português PT
Estado : Novo
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 2021
  • Colecção
  • Baldio
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Diogo Paiva
  • Capa
  • Pedro Soares
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT007821
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 151
Descrição

René Crevel viveu apenas 34 anos, deixando-nos poemas, romances, textos soltos, loucos. O suicídio acompanhou-o desde sempre, como se algum dia fosse inevitável realizá-lo, e anuncia-se logo neste seu primeiro romance, Desvios, cabendo nele a descrição de um gesto que terá, 11 anos depois, a forma que o próprio Crevel escolherá, juntando um bilhete ao corpo: «É favor de me incinerar. Repulsa.» Desvios é, no entanto, e ao mesmo tempo, um romance de uma alegria tresloucada (até nas passagens mais melancólicas) e que parece estritamente ligada ao acto de se contar uma história. Seduzido pelo Surrealismo e por Breton, há quem queira ver numa posterior desilusão com este o motivo para a sua derradeira escolha, outros vêem-no na consciência da sua tuberculose avançada, mas o facto é que esse desvio da linha da vida marcou-o precisamente nela: aos 14 anos, vê o pai enforcado, levado pelas mãos da própria mãe, que lhe quis mostrar a cobardia do acto. É provável que Crevel tenha visto outra coisa. Bissexual assumido, o sexo, nos seus jogos e frustrações, é uma das cores na paleta de Desvios, que, embora usando os mesmos pincéis da literatura que o fundamenta, assume a rebeldia no traço, na forma, na força com que representa, rasgando se for preciso a tela. É jovial, desestabilizador, terno e angustiante. «É um livro romântico», dirá numa carta a Paul Éluard, «como o seu autor». 

           

Tradução do francês de Diogo Paiva

Revisão de Sara Veiga

Capa de Pedro Soares

Design de Pedro Simões