• 967 224 138
  • Contactos

Prufrock na VS, com tradução de Bernardo Pinto de Almeida

O poema A canção de amor de Alfred Prufrock saiu primeiramente a público em 1915, por instâncias de Ezra Pound, na revista ­Poetry - A ­Magazine of Verse - onde haviam já publicado Robert Frost e W.B. Yeats, e onde viriam igualmente a publicar Wallace Stevens e outros poetas de língua inglesa, mas a primeira edição do livro, tal como o conhecemos, só veria a luz em 1917, na pequena editora The Egoist, dirigida por Dora Marsden, a grande sufragista ­inglesa, que veio igualmente a editar Joyce, Pound, ou D.H. Lawrence.

Em 1917, ou seja, o ano da ­Revolução Russa, e também o ano de Fountain, de Marcel ­Duchamp, referência essencial na arte do século xx.

Trata-se, na verdade, de um poema fundador da poesia moderna e de todo o Modernismo, pelo que apresentar sua versão portuguesa, cem anos depois, pareceu desejável, por se verem nele lançadas não só as bases da poesia futura do Poeta como, sobretudo, a marca subtil que viria a influenciar, depois, ­muita da maior poesia do século xx, e não apenas a de ­expressão anglo-americana.


(texto da editora, VS)