• 967 224 138
  • Contactos

La légende de Saint Julien L'Hospitalier de Flaubert

LT003621
2006
Amadeo de Souza-Cardoso

Editora Fundação Calouste Gulbenkian
Idioma Português PT
Idioma Inglês
Idioma Francês
Estado : Como Novo
Disponib. - Em stock

€30
Mais detalhes
  • Ano
  • 2006
  • Tradutor
  • Pedro Vieira de Moura
  • Código
  • LT003621
  • ISBN
  • 9789726351832
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 22,00 x 27,00 x
  • Nº Páginas
  • 399

Descrição

Edição fac-similada do manuscrito com as ilustrações de Amadeo Souza-Cardoso sobre o texto de Flaubert.

Inclui um ensaio de Maria Filomena Molder sobre a obra, em português e em inglês.

Este livro foi publicado por ocasião da exposição «Amadeo de Souza Cardoso 1887-1918», organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Réunion des Musées Nationaux – Grand Palais, em Paris, de 20 de Abril a 18 de Julho de 2016. La Légende de Saint Julien l’Hospitalier é um manuscrito ilustrado de Amadeo de Souza-Cardoso, a partir do texto de Gustave Flaubert, pertencente à colecção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.


O que é que viu Amadeo na Légende? Viu a vertigem da caça, das aves de rapina, do cavalo e do cavaleiro, da floresta, dos lobos e dos castores, do animal em nós, a atracção pela viagem e pelas armas de guerra (o machado, a espada, a lança, o maço), pelos emblemas, pelos brasões; o horror do incesto, porém, é sobretudo segregado pela cópia secreta e belíssima do texto de Flaubert. Trata-se de uma ilustração em que a cópia se eleva a elemento expressivo pelo desenho das letras, pelos ornamentos que as emolduram, pela plenitude cromática, sem interpretação mimética dos episódios da história, sem extracção de uma metafísica do mal. Amadeo reconduz o texto à maravilha isenta de comentário, não cede à tentação de prolongar os excessos tão bem medidos, e por isso tanto mais terríveis, do conto que tão longe está da lenda medieval. Em um, Flaubert, o estilo da velhice, a formosura sem mácula daquilo a que Hermann Broch chama abstracção, na qual «a linguagem desvela os seus próprios segredos». No outro, Amadeo, as primícias de um estilo daquele que irá descobrir que cada vez mais sabe menos quem é, daquele que reconhece as emoções como a condição de toda a arte, ao mesmo tempo que se abstém de lhes dar livre curso. E aqui incrusta-se indubitavelmente uma interrogação: quem é Amadeo? [Maria Filomena Molder]


LT003621
2006
Amadeo de Souza-Cardoso
Editora Fundação Calouste Gulbenkian
Idioma Português PT
Idioma Inglês
Idioma Francês
Estado : Como Novo
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 2006
  • Tradutor
  • Pedro Vieira de Moura
  • Código
  • LT003621
  • ISBN
  • 9789726351832
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 22,00 x 27,00 x
  • Nº Páginas
  • 399
Descrição

Edição fac-similada do manuscrito com as ilustrações de Amadeo Souza-Cardoso sobre o texto de Flaubert.

Inclui um ensaio de Maria Filomena Molder sobre a obra, em português e em inglês.

Este livro foi publicado por ocasião da exposição «Amadeo de Souza Cardoso 1887-1918», organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Réunion des Musées Nationaux – Grand Palais, em Paris, de 20 de Abril a 18 de Julho de 2016. La Légende de Saint Julien l’Hospitalier é um manuscrito ilustrado de Amadeo de Souza-Cardoso, a partir do texto de Gustave Flaubert, pertencente à colecção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.


O que é que viu Amadeo na Légende? Viu a vertigem da caça, das aves de rapina, do cavalo e do cavaleiro, da floresta, dos lobos e dos castores, do animal em nós, a atracção pela viagem e pelas armas de guerra (o machado, a espada, a lança, o maço), pelos emblemas, pelos brasões; o horror do incesto, porém, é sobretudo segregado pela cópia secreta e belíssima do texto de Flaubert. Trata-se de uma ilustração em que a cópia se eleva a elemento expressivo pelo desenho das letras, pelos ornamentos que as emolduram, pela plenitude cromática, sem interpretação mimética dos episódios da história, sem extracção de uma metafísica do mal. Amadeo reconduz o texto à maravilha isenta de comentário, não cede à tentação de prolongar os excessos tão bem medidos, e por isso tanto mais terríveis, do conto que tão longe está da lenda medieval. Em um, Flaubert, o estilo da velhice, a formosura sem mácula daquilo a que Hermann Broch chama abstracção, na qual «a linguagem desvela os seus próprios segredos». No outro, Amadeo, as primícias de um estilo daquele que irá descobrir que cada vez mais sabe menos quem é, daquele que reconhece as emoções como a condição de toda a arte, ao mesmo tempo que se abstém de lhes dar livre curso. E aqui incrusta-se indubitavelmente uma interrogação: quem é Amadeo? [Maria Filomena Molder]