• 967 224 138
  • Contactos

Deus não joga aos dados

LT010240
1992
Henri Laborit

Editora Europa-América
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€9
Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Tradutor
  • Maria Mello
  • Código
  • LT010240
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 182

Descrição

Henri Laborit empenha-se num trabalho extraordinário, que muito interessa a todos os homens dos nossos dias: reunir os fios aparentemente esparsos das três grandes ciências deste final do século XX - a astrofísica, a física das partículas e a biologia. Como passar do Big Bang para o desenvolvimento celular? Como se estabelece uma comunicação entre o vácuo quântico e os buracos negros? Quais as relações entre os electrões e a angústia? Na presente obra, Henri Laborit convida-nos para uma fabulosa viagem que transporta o leitor desde a criação do Universo até à reacção agressiva de um rato numa gaiola de laboratório, dos homenzinhos verdes (que não existem, diz ele) aos encantos e à beleza de um corpo humano. Desde 1950 que Laborit explora os mecanismos dos seres vivos, descobrindo novas drogas nos domínios da anestesia, cardiologia ou psiquiatria. Contudo, a sua trajectória social e científica é contemplada tanto pelo reconhecimento dos americanos como pela incompreensão dos seus compatriotas. Quanto ao grande público, apenas descobre Laborit e a sua obra graças à dezena de livros que publicou a partir de 1968 e, sobretudo, graças ao polémico filme de Alain Resnais, O Meu Tio da América.

Deus não joga aos dados

€9

LT010240
1992
Henri Laborit
Editora Europa-América
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Tradutor
  • Maria Mello
  • Código
  • LT010240
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 182
Descrição

Henri Laborit empenha-se num trabalho extraordinário, que muito interessa a todos os homens dos nossos dias: reunir os fios aparentemente esparsos das três grandes ciências deste final do século XX - a astrofísica, a física das partículas e a biologia. Como passar do Big Bang para o desenvolvimento celular? Como se estabelece uma comunicação entre o vácuo quântico e os buracos negros? Quais as relações entre os electrões e a angústia? Na presente obra, Henri Laborit convida-nos para uma fabulosa viagem que transporta o leitor desde a criação do Universo até à reacção agressiva de um rato numa gaiola de laboratório, dos homenzinhos verdes (que não existem, diz ele) aos encantos e à beleza de um corpo humano. Desde 1950 que Laborit explora os mecanismos dos seres vivos, descobrindo novas drogas nos domínios da anestesia, cardiologia ou psiquiatria. Contudo, a sua trajectória social e científica é contemplada tanto pelo reconhecimento dos americanos como pela incompreensão dos seus compatriotas. Quanto ao grande público, apenas descobre Laborit e a sua obra graças à dezena de livros que publicou a partir de 1968 e, sobretudo, graças ao polémico filme de Alain Resnais, O Meu Tio da América.