• 967 224 138
  • Contactos

Contingência, ironia e solidariedade

LT007473
1994
Richard Rorty

Editora Presença
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Indisponível

€9
Mais detalhes
  • Ano
  • 1994
  • Colecção
  • Biblioteca de Textos Universitários
  • Idioma Original
  • Inglês
  • Tradutor
  • Nuno Ferreira da Fonseca
  • Código
  • LT007473
  • ISBN
  • 9789722317597
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 250

Descrição

Richard Rorty foi já considerado o "filósofo mais interessante da actualidade", e é, sem dúvida, um dos pensadores mais estimulantes e influentes do nosso tempo. Nesta obra ele analisa a tentativa, já presente no platonismo e no cristianismo, de fundir o público e o privado. Neste sentido são estudados por um lado autores como Marx, Mill, Dewey, Habermas ou Rawls, que se empenharam num esforço social e, por outro, Kierkegaard, Nietzsche, Baudelaire, Proust, Heidegger e Nabokov, expoentes de um certo individualismo. Rorty alerta-nos para a importância de considerarmos a complementaridade das duas perspectivas e sugere ainda a possibilidade de uma utopia liberal em que valores como a solidariedade não são antitéticos da imaginação e da sensibilidade.

Contingência, ironia e solidariedade

€9

LT007473
1994
Richard Rorty
Editora Presença
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Indisponível

Mais detalhes
  • Ano
  • 1994
  • Colecção
  • Biblioteca de Textos Universitários
  • Idioma Original
  • Inglês
  • Tradutor
  • Nuno Ferreira da Fonseca
  • Código
  • LT007473
  • ISBN
  • 9789722317597
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00 x
  • Nº Páginas
  • 250
Descrição

Richard Rorty foi já considerado o "filósofo mais interessante da actualidade", e é, sem dúvida, um dos pensadores mais estimulantes e influentes do nosso tempo. Nesta obra ele analisa a tentativa, já presente no platonismo e no cristianismo, de fundir o público e o privado. Neste sentido são estudados por um lado autores como Marx, Mill, Dewey, Habermas ou Rawls, que se empenharam num esforço social e, por outro, Kierkegaard, Nietzsche, Baudelaire, Proust, Heidegger e Nabokov, expoentes de um certo individualismo. Rorty alerta-nos para a importância de considerarmos a complementaridade das duas perspectivas e sugere ainda a possibilidade de uma utopia liberal em que valores como a solidariedade não são antitéticos da imaginação e da sensibilidade.