• 967 224 138
  • Contactos

O futuro é muito tempo

LT011513
1992
Louis Althusser

Editora Asa
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Capa dura, com sobrecapa
Disponib. - Em stock

€15
Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Tradutor
  • Miguel Serras Pereira
  • Código
  • LT011513
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 17,00 x 24,00 x
  • Nº Páginas
  • 379

Descrição

A 16 de Novembro de 1980, o mundo estremeceu: Louis Althusser, o célebre filósofo marxista, o mestre incontestado de toda uma geração de intelectuais e activistas políticos, estrangulara a sua mulher, Hélène. Não houve processo, nem condenação: considerado inimputável, encerrado num hospício psiquiátrico, abateu-se sobre ele uma pesada cortina de silêncio. Entretanto, com a crise do marxismo, os seus livros, que tinham sido verdadeiros breviários, transformaram-se em peças de museu. Quando Althusser morreu, em Outubro de 1990, já há muito tinha morrido na memória das gentes e do tempo.

Só que então se descobre que, durante esses dez anos, Althusser não cessara de reflectir, de pensar, de escrever. E que no meio do seu espírito, dactilografado por ele, pronto para publicação, havia um documento trágico e extraordinário em que o filósofo, como que respondendo no processo que não teve, explicava o seu crime e mergulhava nas raízes mais fundas da sua demência: este O Futuro é Muito Tempo. É esta extraordinária e dramática confissão de Althusser – a que se junta na presente edição um outro esboço autobiográfico inédito, Os Factos, redigido em 1976, que as Edições ASA se orgulham de apresentar ao leitor português.

O futuro é muito tempo

€15

LT011513
1992
Louis Althusser
Editora Asa
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Capa dura, com sobrecapa
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1992
  • Tradutor
  • Miguel Serras Pereira
  • Código
  • LT011513
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 17,00 x 24,00 x
  • Nº Páginas
  • 379
Descrição

A 16 de Novembro de 1980, o mundo estremeceu: Louis Althusser, o célebre filósofo marxista, o mestre incontestado de toda uma geração de intelectuais e activistas políticos, estrangulara a sua mulher, Hélène. Não houve processo, nem condenação: considerado inimputável, encerrado num hospício psiquiátrico, abateu-se sobre ele uma pesada cortina de silêncio. Entretanto, com a crise do marxismo, os seus livros, que tinham sido verdadeiros breviários, transformaram-se em peças de museu. Quando Althusser morreu, em Outubro de 1990, já há muito tinha morrido na memória das gentes e do tempo.

Só que então se descobre que, durante esses dez anos, Althusser não cessara de reflectir, de pensar, de escrever. E que no meio do seu espírito, dactilografado por ele, pronto para publicação, havia um documento trágico e extraordinário em que o filósofo, como que respondendo no processo que não teve, explicava o seu crime e mergulhava nas raízes mais fundas da sua demência: este O Futuro é Muito Tempo. É esta extraordinária e dramática confissão de Althusser – a que se junta na presente edição um outro esboço autobiográfico inédito, Os Factos, redigido em 1976, que as Edições ASA se orgulham de apresentar ao leitor português.