• 967 224 138
  • Contactos

D. João VI – O homem e o monarca

LT009730
1973
Mário Domingues

Editora Romano Torres
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€12
Mais detalhes
  • Ano
  • 1973
  • Código
  • LT009730
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 13,00 x 19,00 x
  • Nº Páginas
  • 554

Descrição

«Mário Domingues não era uma figura simpática para a ditadura. Pouco se conhece e pouco se fala da obra de Mário Domingues, anarquista de origem africana que denunciou as brutalidades cometidas pelo Império colonial português em África. Quem tem tentado recuperar a sua história e o que então representava é José Luís Garcia. O sociólogo português anda há mais de 20 anos a estudar a obra do escritor e jornalista, marginalizado depois pelo Estado Novo. "Apesar de ter sido um jornalista muito notável nos anos 20, 30 do século passado, em Portugal, e apesar de ser também um escritor a partir também nos anos 30, 40, 50, razoavelmente conhecido, ele ficou um pouco no esquecimento, sobretudo a partir dos anos 70, o que é uma injustiça", conta José Luís Garcia. Trazido com 18 meses para Lisboa, Mário Domingues (1899-1977) era filho de um colono branco, empregado de classe média, e de uma angolana, que fazia trabalhos forçados numa roça de cacau na ilha do Príncipe. Em Portugal, teve uma educação bastante esmerada por parte da família do pai na capital portuguesa, onde frequentou o liceu francês. A partir dos 19 anos, começou a escrever intensamente novelas, notícias e reportagens para vários jornais.» in dw.com/pt-002/o-anarquista-que-denunciou-a-brutalidade-colonial-portuguesa/a-43514237

D. João VI – O homem e o monarca

€12

LT009730
1973
Mário Domingues
Editora Romano Torres
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1973
  • Código
  • LT009730
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 13,00 x 19,00 x
  • Nº Páginas
  • 554
Descrição

«Mário Domingues não era uma figura simpática para a ditadura. Pouco se conhece e pouco se fala da obra de Mário Domingues, anarquista de origem africana que denunciou as brutalidades cometidas pelo Império colonial português em África. Quem tem tentado recuperar a sua história e o que então representava é José Luís Garcia. O sociólogo português anda há mais de 20 anos a estudar a obra do escritor e jornalista, marginalizado depois pelo Estado Novo. "Apesar de ter sido um jornalista muito notável nos anos 20, 30 do século passado, em Portugal, e apesar de ser também um escritor a partir também nos anos 30, 40, 50, razoavelmente conhecido, ele ficou um pouco no esquecimento, sobretudo a partir dos anos 70, o que é uma injustiça", conta José Luís Garcia. Trazido com 18 meses para Lisboa, Mário Domingues (1899-1977) era filho de um colono branco, empregado de classe média, e de uma angolana, que fazia trabalhos forçados numa roça de cacau na ilha do Príncipe. Em Portugal, teve uma educação bastante esmerada por parte da família do pai na capital portuguesa, onde frequentou o liceu francês. A partir dos 19 anos, começou a escrever intensamente novelas, notícias e reportagens para vários jornais.» in dw.com/pt-002/o-anarquista-que-denunciou-a-brutalidade-colonial-portuguesa/a-43514237