• 967 224 138
  • Contactos
Caim xx

Caim xx

Jacques Hassoun
Disponib. - Por encomenda

€7
Mais detalhes
  • Ano
  • 1998
  • Colecção
  • Figuras Míticas
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Inês Guerreiro
  • Capa
  • Carlos Vieira Reis
  • Código
  • LT002163
  • ISBN
  • 9789727113545
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 134

Descrição

Adão e Eva deram ao Mundo dois filhos: Abel, o pastor, e Caim, o agricultor. As primeiras ofertas feitas por Caim são recusadas, enquanto que as de Abel são aceites pelo Divino. Caim matará Abel. Será condenado a expiar a sua falta errando pelo Mundo. Mas, antes construirá uma cidade a que dará o nome do seu filho, Henoc. Este terá uma descendência numerosa, entre os quais Jabel, antepassado dos nómadas, Tubalcaim, antepassado dos ferreiros, e Jubal, o primeiro músico. Este mito poderia ter constituído um belo exemplo da indulgência divina. Ora, o nosso imaginário guardou de Caim uma imagem negativa, senão atroz. Uma série de perguntas impõe-se. Por que, na alvorada da Humanidade, se fez necessário um fraticídio? Por que foi necessário que houvesse um filho amado pela divindade e morte sem descendência e um outro que - assassino - escapará todavia à sanção e deixará depois dele os fundadores de gerações ilustres?

Caim xx

Caim xx €7

Jacques Hassoun
Disponib. - Por encomenda

Mais detalhes
  • Ano
  • 1998
  • Colecção
  • Figuras Míticas
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Inês Guerreiro
  • Capa
  • Carlos Vieira Reis
  • Código
  • LT002163
  • ISBN
  • 9789727113545
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 134
Descrição

Adão e Eva deram ao Mundo dois filhos: Abel, o pastor, e Caim, o agricultor. As primeiras ofertas feitas por Caim são recusadas, enquanto que as de Abel são aceites pelo Divino. Caim matará Abel. Será condenado a expiar a sua falta errando pelo Mundo. Mas, antes construirá uma cidade a que dará o nome do seu filho, Henoc. Este terá uma descendência numerosa, entre os quais Jabel, antepassado dos nómadas, Tubalcaim, antepassado dos ferreiros, e Jubal, o primeiro músico. Este mito poderia ter constituído um belo exemplo da indulgência divina. Ora, o nosso imaginário guardou de Caim uma imagem negativa, senão atroz. Uma série de perguntas impõe-se. Por que, na alvorada da Humanidade, se fez necessário um fraticídio? Por que foi necessário que houvesse um filho amado pela divindade e morte sem descendência e um outro que - assassino - escapará todavia à sanção e deixará depois dele os fundadores de gerações ilustres?