• 967 224 138
  • Contactos
A mão de água e a mão de fogo xxxx

A mão de água e a mão de fogo xxxx

António Ramos Rosa
Disponib. - Por encomenda

€22
Mais detalhes
  • Ano
  • 1987
  • Colecção
  • Poesia Nosso Tempo
  • Capa
  • António Luís Catarino
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003429
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 272

Descrição

Primeira Edição. «Em 1987 a Fora do Texto, de Coimbra, editou A Mão de Água e Mão de Fogo, uma antologia de António Ramos Rosa que acompanhou, junto com António Martins, a edição da obra. Tem posfácio de Maria Irene Ramalho sendo que a capa é cá do editor (António Luís Catarino), nessa ocasião vivendo nessas paragens. Marcou-me imenso o trabalho que tive com António Ramos Rosa e vivi intensamente os seus períodos de euforia e também de profundo silêncio que alternavam entre si. Marcou-me a profundidade da sua inteligência e os seus gestos de grande generosidade traduzidos pela oferta de um desenho ou pelas palavras escolhidas e que se nos dirigia, como se fosse um poema que construía. Até sempre.»

A mão de água e a mão de fogo xxxx

A mão de água e a mão de fogo xxxx €22

António Ramos Rosa
Disponib. - Por encomenda

Mais detalhes
  • Ano
  • 1987
  • Colecção
  • Poesia Nosso Tempo
  • Capa
  • António Luís Catarino
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003429
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 272
Descrição

Primeira Edição. «Em 1987 a Fora do Texto, de Coimbra, editou A Mão de Água e Mão de Fogo, uma antologia de António Ramos Rosa que acompanhou, junto com António Martins, a edição da obra. Tem posfácio de Maria Irene Ramalho sendo que a capa é cá do editor (António Luís Catarino), nessa ocasião vivendo nessas paragens. Marcou-me imenso o trabalho que tive com António Ramos Rosa e vivi intensamente os seus períodos de euforia e também de profundo silêncio que alternavam entre si. Marcou-me a profundidade da sua inteligência e os seus gestos de grande generosidade traduzidos pela oferta de um desenho ou pelas palavras escolhidas e que se nos dirigia, como se fosse um poema que construía. Até sempre.»