• 967 224 138
  • Contactos
Como se desenha uma casa xxxx

Como se desenha uma casa xxxx

LT003413
2011
Manuel António Pina

Disponib. - Indisponível

€7
Mais detalhes
  • Ano
  • 2011
  • Colecção
  • Poesia Inédita Portuguesa
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003413
  • ISBN
  • 9789723716160
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 50

Descrição

Primeiro abre-se a porta / por dentro sobre a tela imatura onde previamente /se escreveram palavras antigas: o cão, o jardim impresente, /a mãe para sempre morta. / Anoiteceu, apagamos a luz e, depois, / como uma foto que se / guarda na carteira, / iluminam-se no quintal as flores da macieira / e, no papel de parede, agitam-se as recordações. / Protege-te delas, das recordações, / dos seus ócios, das suas conspirações; / usa cores morosas, tons mais-que-perfeitos: / o rosa para as lágrimas, o azul para os sonhos desfeitos. / Uma casa é as ruínas de uma casa, / uma coisa ameaçadora à espera de uma palavra; / desenha-a como quem embala um remorso, / com algum grau de abstracção e sem um plano rigoroso. Nasceu a 18 Novembro 1943 (Sabugal). Morreu em 19 Outubro 2012. Manuel António Pina foi um jornalista e escritor português, premiado em 2011 com o Prémio Camões.

Como se desenha uma casa xxxx

Como se desenha uma casa xxxx €7

LT003413
2011
Manuel António Pina
Disponib. - Indisponível

Mais detalhes
  • Ano
  • 2011
  • Colecção
  • Poesia Inédita Portuguesa
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT003413
  • ISBN
  • 9789723716160
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 50
Descrição

Primeiro abre-se a porta / por dentro sobre a tela imatura onde previamente /se escreveram palavras antigas: o cão, o jardim impresente, /a mãe para sempre morta. / Anoiteceu, apagamos a luz e, depois, / como uma foto que se / guarda na carteira, / iluminam-se no quintal as flores da macieira / e, no papel de parede, agitam-se as recordações. / Protege-te delas, das recordações, / dos seus ócios, das suas conspirações; / usa cores morosas, tons mais-que-perfeitos: / o rosa para as lágrimas, o azul para os sonhos desfeitos. / Uma casa é as ruínas de uma casa, / uma coisa ameaçadora à espera de uma palavra; / desenha-a como quem embala um remorso, / com algum grau de abstracção e sem um plano rigoroso. Nasceu a 18 Novembro 1943 (Sabugal). Morreu em 19 Outubro 2012. Manuel António Pina foi um jornalista e escritor português, premiado em 2011 com o Prémio Camões.