• 967 224 138
  • Contactos

Poesias - Frei Luis de Leon

Frei Luis de Leon
Libreros Españoles
Castelhano

Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€6
Mais detalhes
  • Ano
  • 1991
  • Código
  • LT002138
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 12,00 x 19,00 x
  • Nº Páginas
  • 87

Descrição

Frei Luis de León (1527?-1591) é um dos valores mais altos e característicos do Renascimento espanhol e da Espanha do tempo de Filipe II, pela sua obra em prosa e em verso e pelas posições que assumiu com extraordinário vigor e que são referência obrigatória para se conhecer a época em que viveu e cujos valores pôs em causa: querendo-se sempre dentro do catolicismo mais ortodoxo (hoje podemos afirmar que hereges" eram os outros, entre os quais os grandes senhores da Inquisição...), combateu frontalmente o que julgou podre na sociedade do seu tempo, incluindo a Igreja. Das lutas, aspirações, pensamento, cultura e fé que alimentaram a sua vida são testemunhos os poemas que nos deixou, a maior parte dos quais são dos mais altos da poesia espanhola". José Bento, in "A Phala" nº 31


Frei Luis de Leon
Libreros Españoles
Castelhano
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1991
  • Código
  • LT002138
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 12,00 x 19,00 x
  • Nº Páginas
  • 87
Descrição

Frei Luis de León (1527?-1591) é um dos valores mais altos e característicos do Renascimento espanhol e da Espanha do tempo de Filipe II, pela sua obra em prosa e em verso e pelas posições que assumiu com extraordinário vigor e que são referência obrigatória para se conhecer a época em que viveu e cujos valores pôs em causa: querendo-se sempre dentro do catolicismo mais ortodoxo (hoje podemos afirmar que hereges" eram os outros, entre os quais os grandes senhores da Inquisição...), combateu frontalmente o que julgou podre na sociedade do seu tempo, incluindo a Igreja. Das lutas, aspirações, pensamento, cultura e fé que alimentaram a sua vida são testemunhos os poemas que nos deixou, a maior parte dos quais são dos mais altos da poesia espanhola". José Bento, in "A Phala" nº 31