• 967 224 138
  • Contactos
olhos azuis cabelo preto

Olhos azuis cabelo preto

LT003396

Marguerite Duras

Disponib. - Indisponível

€7
Mais detalhes
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Tereza Coelho
  • Capa
  • Filomena Campos
  • Código
  • LT003396
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 109

Descrição

«É a história de um amor, o maior e mais terrível sobre que me foi dado escrever. Eu sei-o. Qualquer um pode ficar a sabê-lo por si. Trata-se de um amor que não é nomeado nos romances e que também não é nomeado por aqueles que o vivem. De um sentimento que de certo modo não tem ainda o seu vocabulário, os seus hábitos e rituais. Trata-se de um amor perdido. Perdido como perdição. Leiam o livro, leiam-no mesmo que de início o detestem. Já nada temos a perder, nem eu dos leitores, nem os leitores de mim. Leiam tudo. Leiam todas as distâncias que vos são indicadas, as dos corredores que rodeiam a história e a acalmam e nos concedem o tempo de os percorrer. Continuem a ler e de súbito terão atravessado a história, os seus risos, a sua agonia, os seus desertos. Sinceramente vossa. Duras» Escritora e cineasta francesa, Marguerite Duras nasceu no Vietname em 1914 e veio a falecer em 1996 em França. A sua obra, habitada por personagens em busca de amor até aos limites da loucura ou do crime, foi visceralmente marcada pela juventude passada na Indochina. O romance autobiográfico L'Amant (1984) foi adaptado ao cinema. Escreveu também o argumento do filme Hiroxima meu amor e realizou Nathalie Granger (1973) e India Song (1975).

Olhos azuis cabelo preto

olhos azuis cabelo preto €7

LT003396

Marguerite Duras
Disponib. - Indisponível

Mais detalhes
  • Idioma Original
  • Francês
  • Tradutor
  • Tereza Coelho
  • Capa
  • Filomena Campos
  • Código
  • LT003396
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 109
Descrição
«É a história de um amor, o maior e mais terrível sobre que me foi dado escrever. Eu sei-o. Qualquer um pode ficar a sabê-lo por si. Trata-se de um amor que não é nomeado nos romances e que também não é nomeado por aqueles que o vivem. De um sentimento que de certo modo não tem ainda o seu vocabulário, os seus hábitos e rituais. Trata-se de um amor perdido. Perdido como perdição. Leiam o livro, leiam-no mesmo que de início o detestem. Já nada temos a perder, nem eu dos leitores, nem os leitores de mim. Leiam tudo. Leiam todas as distâncias que vos são indicadas, as dos corredores que rodeiam a história e a acalmam e nos concedem o tempo de os percorrer. Continuem a ler e de súbito terão atravessado a história, os seus risos, a sua agonia, os seus desertos. Sinceramente vossa. Duras» Escritora e cineasta francesa, Marguerite Duras nasceu no Vietname em 1914 e veio a falecer em 1996 em França. A sua obra, habitada por personagens em busca de amor até aos limites da loucura ou do crime, foi visceralmente marcada pela juventude passada na Indochina. O romance autobiográfico L'Amant (1984) foi adaptado ao cinema. Escreveu também o argumento do filme Hiroxima meu amor e realizou Nathalie Granger (1973) e India Song (1975).