• 967 224 138
  • Contactos

A cidadela branca xxx

Orhan Pamuk
Presença
Português PT

Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Por encomenda

€7
Mais detalhes
  • Ano
  • 2000
  • Idioma Original
  • Turco
  • Tradutor
  • Manuela Vaz
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT002135
  • ISBN
  • 9789722326049
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 15,00 x 3,00 x
  • Nº Páginas
  • 181

Descrição

Em pleno século XVII, num mundo misto de fantástica sabedoria e de assustadora barbárie, um jovem estudante italiano viajava tranquilamente de Veneza para Nápoles quando foi capturado por piratas turcos. Após algumas voltas e reviravoltas do destino, torna-se escravo de um estranho cientista turco, conhecido como o Mestre. Este sábio, ávido pelo conhecimento científico e progressos intelectuais do Oeste, procura, recorrendo ao diferente saber do prisioneiro, conseguir o seu aperfeiçoamento intelectual e científico, e nos anos que se seguiram o escravo ensina ao Mestre o que ele aprendera no velho continente, da medicina à pirotecnia. Mas Hojas o Mestre, quer mais: quer saber o porquê de serem quem são e até que ponto, uma vez desvendados e trocados os seus mais íntimos segredos, as suas identidades não serão confundidas ou trocadas.


Orhan Pamuk
Presença
Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Por encomenda

Mais detalhes
  • Ano
  • 2000
  • Idioma Original
  • Turco
  • Tradutor
  • Manuela Vaz
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT002135
  • ISBN
  • 9789722326049
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 15,00 x 3,00 x
  • Nº Páginas
  • 181
Descrição

Em pleno século XVII, num mundo misto de fantástica sabedoria e de assustadora barbárie, um jovem estudante italiano viajava tranquilamente de Veneza para Nápoles quando foi capturado por piratas turcos. Após algumas voltas e reviravoltas do destino, torna-se escravo de um estranho cientista turco, conhecido como o Mestre. Este sábio, ávido pelo conhecimento científico e progressos intelectuais do Oeste, procura, recorrendo ao diferente saber do prisioneiro, conseguir o seu aperfeiçoamento intelectual e científico, e nos anos que se seguiram o escravo ensina ao Mestre o que ele aprendera no velho continente, da medicina à pirotecnia. Mas Hojas o Mestre, quer mais: quer saber o porquê de serem quem são e até que ponto, uma vez desvendados e trocados os seus mais íntimos segredos, as suas identidades não serão confundidas ou trocadas.