• 967 224 138
  • Contactos

Mundos e fundos – Crónicas de paixão e maldizer

LT009707
1984
Manuel Beça Múrias

Editora O Jornal
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€9
Mais detalhes
  • Ano
  • 1984
  • Colecção
  • Cadernos O Jornal
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT009707
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 16,00 x 24,00 x
  • Nº Páginas
  • 112

Descrição

Considerado um dos pioneiros do modernismo do jornalismo, Manuel Beça Múrias nasceu no dia 22 de Janeiro de 1938. Na notícia da sua morte, em 1987, Fernando Assis Pacheco, evocando o amigo, escrevia em O Jornal: «Um dos maiores repórteres da Imprensa portuguesa» a quem devíamos «o exemplo reiterado do profissionalismo e a solidariedade de todas as horas, as boas e as más». Foi no Diário Ilustrado, em 1957, que Manuel Beça Múrias iniciou a sua carreira de jornalista profissional. Trabalhou depois na delegação em Lisboa da Associated Press e na revista Flama, de que foi chefe de redacção. Entrou, em 1967, na redacção do Diário de Lisboa e ingressou depois na redacção de A Capital, onde desempenhou as funções de chefe de redacção. Depois do 25 de Abril, e até à fundação da sociedade de redactores que iria dar corpo ao projecto do semanário O Jornal, em 1975, Manuel Beça Múrias passou pelas redacções do jornal Sempre Fixe e do Telejornal da RTP.

Mundos e fundos – Crónicas de paixão e maldizer

€9

LT009707
1984
Manuel Beça Múrias
Editora O Jornal
Idioma Português PT
Estado : Usado 5/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1984
  • Colecção
  • Cadernos O Jornal
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT009707
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 16,00 x 24,00 x
  • Nº Páginas
  • 112
Descrição

Considerado um dos pioneiros do modernismo do jornalismo, Manuel Beça Múrias nasceu no dia 22 de Janeiro de 1938. Na notícia da sua morte, em 1987, Fernando Assis Pacheco, evocando o amigo, escrevia em O Jornal: «Um dos maiores repórteres da Imprensa portuguesa» a quem devíamos «o exemplo reiterado do profissionalismo e a solidariedade de todas as horas, as boas e as más». Foi no Diário Ilustrado, em 1957, que Manuel Beça Múrias iniciou a sua carreira de jornalista profissional. Trabalhou depois na delegação em Lisboa da Associated Press e na revista Flama, de que foi chefe de redacção. Entrou, em 1967, na redacção do Diário de Lisboa e ingressou depois na redacção de A Capital, onde desempenhou as funções de chefe de redacção. Depois do 25 de Abril, e até à fundação da sociedade de redactores que iria dar corpo ao projecto do semanário O Jornal, em 1975, Manuel Beça Múrias passou pelas redacções do jornal Sempre Fixe e do Telejornal da RTP.