• 967 224 138
  • Contactos

Os grilos não cantam ao domingo

LT011115
1969
Santos Fernando

Editora Parceria A. M. Pereira
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

€10
Mais detalhes
  • Ano
  • 1969
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT011115
  • Detalhes físicos
  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00
  • Nº Páginas
  • 338

Descrição

Primeira Edição.

Crónicas da vida quotidiana publicadas no Diário Popular

Santos Fernando a personagem, ele mesmo, foi amigo de Luiz Pacheco e de Ferro Rodrigues (pai do Féfé), foi o homem do escritório dos Adubos Potássicos, Avenida da Liberdade nº 3 ali por cima do Café Paladium onde muita gente ganhou a vida a dar explicações e a jogar bilhar. A janela do escritório de Santos Fernando dava para o Elevador da Glória. É esse elevador que deve transportar de novo não Santos Fernando em pessoa mas a sua obra que eu comecei a admirar em 1963 quando vivia em Vila Franca de Xira e comprava todos os Domingos à noite o «Diário Popular» com a sua habitual crónica «Os grilos não cantam ao Domingo». José do Carmo Francisco, in esaextravagantes.blogspot.com/2017/04/saudacao-breve-um-novo-editor-de-santos_18.html

Os grilos não cantam ao domingo

€10

LT011115
1969
Santos Fernando
Editora Parceria A. M. Pereira
Idioma Português PT
Estado : Usado 4/5
Encadernação : Brochado
Disponib. - Em stock

Mais detalhes
  • Ano
  • 1969
  • Edição
  • 1
  • Código
  • LT011115
  • Detalhes físicos

  • Dimensões
  • 14,00 x 21,00
  • Nº Páginas
  • 338
Descrição

Primeira Edição.

Crónicas da vida quotidiana publicadas no Diário Popular

Santos Fernando a personagem, ele mesmo, foi amigo de Luiz Pacheco e de Ferro Rodrigues (pai do Féfé), foi o homem do escritório dos Adubos Potássicos, Avenida da Liberdade nº 3 ali por cima do Café Paladium onde muita gente ganhou a vida a dar explicações e a jogar bilhar. A janela do escritório de Santos Fernando dava para o Elevador da Glória. É esse elevador que deve transportar de novo não Santos Fernando em pessoa mas a sua obra que eu comecei a admirar em 1963 quando vivia em Vila Franca de Xira e comprava todos os Domingos à noite o «Diário Popular» com a sua habitual crónica «Os grilos não cantam ao Domingo». José do Carmo Francisco, in esaextravagantes.blogspot.com/2017/04/saudacao-breve-um-novo-editor-de-santos_18.html