• 967 224 138
  • Contactos
Os sete pecados mortais dos pequenos burgueses

Os sete pecados mortais dos pequenos burgueses

Bertolt Brecht
Disponib. - Por encomenda

€8
Mais detalhes
  • Ano
  • 1986
  • Tradutor
  • José Coutinho e Castro
  • Código
  • LT002441
  • Detalhes físicos
  • Nº Páginas
  • 53

Descrição

Tradução e posfácio de José Coutinho e Castro. Bertolt Brecht (Augsburg, 10 de Fevereiro de 1898 — Berlim, 14 de Agosto de 1956) foi um destacado dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX. Os seus trabalhos artísticos e teóricos influenciaram profundamente o teatro contemporâneo, tornando-o mundialmente conhecido pelas apresentações da sua companhia, Berliner Ensemble, realizadas em Paris durante os anos 1954 e 1955. No final dos anos 1920 Brecht torna-se marxista, vivendo o intenso período das mobilizações da República de Weimar, desenvolvendo o seu 'teatro épico', que, de certa forma, sintetizava as experiências políticas na Alemanha de Erwin Piscator e do russo Vsevolod Emilevitch Meyerhold, influenciado pelo teatro experimental da Rússia soviética, entre os anos 1917-1926. Brecht explorava assim o teatro como um fórum de discussão das complicadas relações humanas dentro do sistema capitalista, criando a sua versão de um drama épico, na perspectiva de uma estética marxista.

Os sete pecados mortais dos pequenos burgueses

Os sete pecados mortais dos pequenos burgueses €8

Bertolt Brecht
Disponib. - Por encomenda

Mais detalhes
  • Ano
  • 1986
  • Tradutor
  • José Coutinho e Castro
  • Código
  • LT002441
  • Detalhes físicos

  • Nº Páginas
  • 53
Descrição

Tradução e posfácio de José Coutinho e Castro. Bertolt Brecht (Augsburg, 10 de Fevereiro de 1898 — Berlim, 14 de Agosto de 1956) foi um destacado dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX. Os seus trabalhos artísticos e teóricos influenciaram profundamente o teatro contemporâneo, tornando-o mundialmente conhecido pelas apresentações da sua companhia, Berliner Ensemble, realizadas em Paris durante os anos 1954 e 1955. No final dos anos 1920 Brecht torna-se marxista, vivendo o intenso período das mobilizações da República de Weimar, desenvolvendo o seu 'teatro épico', que, de certa forma, sintetizava as experiências políticas na Alemanha de Erwin Piscator e do russo Vsevolod Emilevitch Meyerhold, influenciado pelo teatro experimental da Rússia soviética, entre os anos 1917-1926. Brecht explorava assim o teatro como um fórum de discussão das complicadas relações humanas dentro do sistema capitalista, criando a sua versão de um drama épico, na perspectiva de uma estética marxista.